André Amorim, Nearshore Business Manager da Aubay, conta com passagens nos recursos humanos da Bosch Portugal e EDP. Em paralelo, dá workshops, training development e talks motivacionais em diversas empresas. Foi treinador de Futebol Americano nos Lisboa Navigators, Lisboa Devils (com uma equipa técnica com 10 nacionalidades) e Seleção Nacional. Atualmente está ligado à modalidade como comentador na Eleven Sports.

“Conheci” o André na minha primeira experiência digital onde fui voluntário em social media para a Federação Portuguesa de Futebol Americano. Eu não percebia do desporto, contudo tentei entender para não cometer “barraca”. O André e alguns amigos divulgavam a modalidade na página FA Portugal e sempre ajudou-me no que fosse preciso. Se acharem-no um porreiro….é mesmo verdade!

Desconstruindo #3 André Amorim, o Desporto e as Pessoas nas Empresas

Foste treinador 6 vezes campeão em equipas de futebol americano (Lisboa Navigators e Lisboa Devils). Há um paralelismo entre o desporto e os recursos humanos nas empresas? 

Sem sombra de dúvidas que existe um forte paralelismo entre o Desporto e os Recursos Humanos de uma Empresa, bem como outras áreas. Em particular no Futebol Americano acredito que esse paralelismo e ainda mais forte e evidente.

O Futebol Americano e um desporto de progressão no terreno em que o objetivo máximo passa por marcar touchdown sendo que o objetivo é ter mais pontos marcados do que sofridos. Uma empresa tem também ela a missão de progredir, alcançar objetivos e no final do dia ter mais sucesso do que outras (competidores) num determinado contexto, área ou indústria.

Para isso, quer no Desporto como no Mundo Empresarial, as pessoas – os recursos humanos – são quem coloca em prática as estratégias, os métodos e os processos para que se possa ser bem sucedido. Pessoalmente, acredito que equipas heterogéneas têm um tecto de sucesso mais elevado do que equipas muito homogéneas mas acabam por ser, obviamente, um pouco mais complicadas de gerir por causa de todas as suas particularidades.

Há sempre um parafuso a apertar para melhorar na performance. Contudo como se gere equipas quando uns estão na mó de cima e outros na mó de baixo. E cada pessoa tem os seus sonhos e ambições, e alguns talvez sejam bons jogadores ou profissionais mas talvez não sejam tão boas pessoas? 

Excelente questão mas gostava de a dividir em duas. Primeiro, falando de liderar equipas bem sucedidas e outras menos bem sucedidas. Pessoalmente e apenas a título pessoal, acredito que gerir equipas em termos conturbados é mais fácil do que gerir em termos de facilidade e vitórias.

Sou uma pessoa muito positiva, respiro motivação e consigo olhar para a dinâmica de uma equipa e perceber o que está menos bem e o que podemos melhorar para caminharmos na direção dos nossos objetivos coletivos. Numa dinâmica em que uma equipa ganha de forma constante, acredito que é necessário uma maturidade pessoal, dos líderes em questão, para conseguirem manter os índices de performance da equipa sempre em cima. Acho que neste caso é preciso inclusive que a liderança seja extensível a todos de forma mais abrangente e não seja tão centralizada. Porque? Porque isso pode originar a cisões dentro da equipa.

Já no que toca a uma gestão das próprias pessoas dentro de uma equipa, vamos ser sinceros. Nunca vamos conseguir ter relações próximas, nunca nos vamos identificar com todas as pessoas e nem todos vão fazer parte da nossa “tribo”.

Mas quando estamos inseridos numa equipa é importante perceber o papel que cada um desempenha, compete ao líder de mostrar isso e de fazer essa gestão da forma mais pacífica e orientada aos resultados possível.

17795910_10208701163903334_1490718596948014766_n

No documentário de Futebol Americano “Hard Knocks” podemos observar que há um constante feedback dos treinadores aos jogadores, sobretudo nos treinos. Qual a importância do feedback em real-time nas empresas? 

Sobre o feedback acho que é uma faca de dois gumes. Eu sou forte apologista de feedback mas se for um feedback orientado, estruturado, com coaching points e onde possamos colocar em prática aquilo que nos estão a transmitir. Acredito que retirei muito isto da minha experiência do desporto e aplico às várias equipas que tive oportunidade de gerir nas várias indústrias onde trabalhei.

Hoje em dia acho que o feedback virou algo banal, todas as empresas, gestores e líderes dizem que praticam feedback de forma constante mas a questão é que tipo de feedback estão a transmitir e qual a praticidade do mesmo? Food for thought.

Os treinadores portugueses que estudam na Faculdade de Motricidade Humana aprendem que “Antes do desportista existe a pessoa”. Como as empresas podem olhar para a pessoa antes do profissional? 

Dica simples: Quando se sentarem diante de um candidato, procurem conhecer a pessoa em vez do profissional. Olhem para além daquilo que está escrito e descrito no CV e tentem compreender as motivações por detrás dessa pessoa para estar ali sentada naquele preciso momento. Como reage perante determinado ambientes, perante determinados obstáculos, perante determinados contextos. E, apenas depois, procuremos o lado técnico e competências necessárias para desempenhar a função que, no final do dia, são também fundamentais.

Fora das empresas de IT e sobretudo na indústria, o salário mínimo é uma norma nas linhas de produção mesmo em empresas que faturam milhões. E é normal, colaboradores dedicarem uma vida à empresa sem um aumento real…

Infelizmente é uma realidade que vivemos mas que espero genuinamente que possamos fugir a isto o mais depressa possível. Acredito que os tempos que temos pela frente, a curto/médio prazo, serão de tremenda dificuldade mas espero que todos juntos possamos de alguma forma caminhar para uma sociedade mais justa, equilibrado e com maior equidade entre as várias indústrias.

Se existe algo que esta pandemia nos ensinou é que precisamos de determinadas áreas – desporto, artes – para encontrarmos equilíbrio na nossa vida e no nosso dia-a-dia.

No desporto e nas empresas há contextos em que o jogador ou profissional não se adaptam ou rendem. Contudo se mudam de contexto(equipa ou empresa) aumentam a performance, apresentam menos falhas e estão mais soltos. Há contextos que tornam a pessoa mais presa? 

Sem sombra de dúvidas que sim. Eu sou advogado da citação “máxima liberdade com a máxima responsabilidade”. Acredito que qualquer pessoa alcança o seu tecto de performance quando tem liberdade para ser quem é e colocar em prática aquilo que sabe. Em determinados momentos são precisos instruções, que existam guidelines, que exista feedback, mas a liberdade é para mim essencial.

E, quando não existe esta abertura em qualquer contexto, origina esse cenário que mencionaste, da pessoa ficar presa e não estar bem naquela cultura, naquele ambiente, com aquela estilo de gestão/liderança.

Uma mudança, que só por si é a única real constante da nossa vida, por vezes é o melhor remédio.

Como vês o futuro da felicidade no trabalho?

Muito honestamente a felicidade é um tema muito abstrato para que eu o possa aqui dissecar ou tentar aqui fazer futurologia.

Mas aquilo que eu gostava MESMO de ver acontecer era de nos ver a todos a encontrar aquilo que nos faz felizes, encontrar um equilíbrio entre todos os campos da nossa vida, ter a liberdade para agir de acordo com as nossas motivações e que percebamos finalmente, e de uma vez por todas, que apenas juntos conseguimos melhor toda a realidade que nos rodeia. Somos todos parte do mesmo organismo e todos temos algo a acrescentar e um papel a desempenhar.

Qual o desportista ou treinador que escolherias para uma palestra motivacional para a equipa onde trabalhas? 

Claro que vou para o Futebol Americano e escolheria ou o Bill Parcells, treinador bastante consagrado da década de 90 ou o jogador Ray Lewis que se retirou do Futebol Americano profissional em 2013.

O Bills Parcells é um dos meus treinadores favoritos e tem um abordagem muito fria, pragmática mas ao mesmo tempo realista a todas as dinâmicas de uma equipa. Uma citação dele que gosto bastante diz “eu gosto de confronto porque limpa o ar”. Isto remete-me muito para a necessidade da tomada de decisões, a não fuga a situações que mais tarde nos podem vir afligir e a uma abertura na comunicação dentro de uma equipa que é essencial.

O Ray Lewis porque é uma lenda motivacional. Acredito que os seus discursos de responsabilidade individual sobre aquilo que cada um pode fazer, e que não existe escala para a palavra esforço, porque é um conceito individual, são algo que estimo muito.

Se a tua vida fosse relatada numa jogada de Futebol Americano como seria?

Em mais de 10 anos no desporto onde já tive oportunidade de fazer várias partilhas nunca me fizeram esta pergunta. Mas a resposta foi automática. A minha vida se fosse relatada numa jogada de Futebol Americano seria a interception que Tom Brady, dos New England Patriots, lançou num jogos dos playoffs em 2006 para Champ Bailey, dos Denver Broncos que seria depois placado por Benjamin Watson numa corrida de mais de 120 metros.

Pessoalmente é uma jogada que tem zero talento mas tem 100% esforço. 🙂

Descobre mais entrevistas

Desconstruindo #1 João Geada e a Publicidade “Acho a palavra certa no contexto certo vale mais que mil palavras”

Desconstruindo #2 Raquel “Esta Pessoa” e o Storytelling ” “Independentemente da forma que damos às histórias, vamos sempre ter que partir de uma reflexão muito pessoal”

2 thoughts on ““Quando se sentarem diante de um candidato procurem conhecer a pessoa em vez do profissional.”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s