O nome Elsa ficou celebrizado com um grito icónico no Sudoeste. Mas a Norte e no em todo o país “digital”, o nome Elsa está conotado à Escrita Web e Comunicação Digital.

Elsa Fernandes começou como jornalista no Público e Media Capital, porém teve um olhar observador para uma carreira no digital. No presente, é formadora e consultora, tendo colaborado com a Salsa, Continente Online, entre outros.

Autora em dois livros , abre o livro na Desconstrução da Escrita para a Web. 

Dan Curran, CEO da PowerPost escreveu na Entrepreneur que “as marcas precisam de jornalistas para que o conteúdo tenha uma voz forte, com base em dados e que conte uma história.” E que ao contrário dos marketeers – “Os jornalistas focam primeiro na audiência e de seguida na marca”. O jornalismo é uma boa influencia para alcançar o público no Marketing Digital? 

Sem dúvida. Na minha opinião, os jornalistas podem tornar-se excelentes redatores de conteúdos. Isto acontece por uma série de razões.

Começando pelo próprio método de trabalho. Um jornalista com alguma experiência sabe fazer boa pesquisa sobre o tema que tem em mãos. Vai também procurar um ângulo original para o seu conteúdo, não se limitando a repetir o que já foi escrito anteriormente. Além disso, foi treinado para ouvir e descobrir boas histórias, elementos fundamentais para a criação de conteúdo de qualidade. 

Depois, a própria forma como um jornalista escreve encaixa na perfeição no que se espera do bom conteúdo. Escrita simples, neutra e que puxa para destaque o que é mais importante, servindo e respeitando quem o lê. Ou seja, o tal foco na audiência que Dan Curran refere.  

Finalmente, e aqui falo especificamente da forma como eu trabalho, assim como o jornalista assume um compromisso com a verdade, procurando ao máximo cingir-se aos factos, defendo que o redator de conteúdos deve fazê-lo também. Acredito que, para comunicar as suas mensagens, as marcas não precisam (nem devem) sacrificar a verdade. 

És uma early-adopter na promoção e no uso profissional das Redes Sociais. Por outro lado, o “Podcast, disse ela” surgiu antes do boom. A criação de conteúdo requer constantes viagens ao futuro?

Gosto muito dessa ideia de viagem ao futuro, especialmente no sentido de alargarmos o nosso campo de visão além do aqui e agora. 

Penso que foi um pouco o que aconteceu nos exemplos que referes. No caso das redes sociais, comecei a explorá-las quando ainda trabalhava na Exponor para perceber como poderia enquadrá-las na estratégia de marketing da instituição. Na altura era uma aposta que outros parques de feiras, nomeadamente em Espanha e na Alemanha, já estavam a fazer. Avançar implicou ir mais à frente buscar inspiração a esses exemplos e fazer as devidas adaptações ao nosso contexto. 

O “Podcast, disse ela” surgiu de facto antes do boom dos podcasts por cá. Era um formato de conteúdo que já consumíamos há algum tempo (eu e a Sónia Costa, co-host no projeto) e que decidimos explorar. No meu caso, muito porque sempre gostei de rádio e vi aqui uma oportunidade de experimentar algo similar. 

podcast,disse ela

Maya Angelou refere que “Tudo no universo tem ritmo, tudo dança”. A escrita para a Web tem um ritmo próprio e incompreendido pelos “ditadores da gramática”? 

Penso que sim. Começar uma frase com um “e” ou com um “mas”, escrever frases só com uma palavra e parágrafos com apenas uma linha são técnicas que não respeitam totalmente a gramática e que talvez não sejam aceitáveis noutros contextos. No entanto, são bons aliados para quem escreve para a web porque tornam o texto mais eficaz e facilitam a leitura. 

Parece-me, contudo, que esta liberdade de que a escrita para a web beneficia não pode justificar tudo. Há princípios que têm mesmo de ser cumpridos, sob pena de prejudicarmos a mensagem. 

Aliás, quando opta por quebrar as regras, o redator deve fazê-lo de forma completamente consciente. Isto coloca-nos uma responsabilidade adicional de estudar e conhecer bem as regras gramaticais para que o desrespeito seja um ato voluntário em benefício da comunicação. 

elsa fernandes

Quantidades, medidas, espaços, estruturas, variações e estatísticas. O copywriting tornou-se “mathwriting”? 

É uma perspetiva interessante e compreendo que algumas pessoas possam sentir-se constrangidas por tantas normas, especialmente quando estão a começar.

Ao longo do meu percurso, fui aprendendo a olhar para esses princípios, não como limitações, mas como ferramentas para chegar mais rapidamente e de forma mais significativa ao leitor/utilizador. 

Acho que se aplica o mesmo princípio que vale para as regras gramaticais: estudarmos tão profundamente como funcionam essas quantidades, medidas, espaços, etc. que referes até ao ponto em que não são algo que nos impomos, mas que incorporamos no nosso trabalho sem grande esforço. 

Claro que também gosto de escrever livremente. Faço-o — a par da leitura — para que o meu cérebro nunca se esqueça que há outras escritas além da que exerço profissionalmente. 

Em 1964, Marshall McLuhan afirmou que “O meio influencia a mensagem. Uma mesma mensagem é percebida pelo mesmo indivíduo de forma diferente em diferentes meios.” O conceito permanece atual ou existe uma redefinição com os novos meios? 

Na minha opinião, o meio continua a influenciar a mensagem, mesmo que tenham passado mais de 50 anos sobre a afirmação de Marshall McLuhan e os meios se tenham alargado profundamente.

Esta expansão obriga-nos a ter de compreender como é que o utilizador usa cada meio e a adaptar a nossa comunicação para que as mensagens sejam percebidas. 

É o que acontece com a escrita para a web. Há uma série de diferenças face à escrita para outros canais — desde a forma como lemos à imediatez do meio — que obriga os redatores a ajustarem-se para conseguirem ser eficazes na comunicação. 

Vídeo killed the blogging star? Ou ambos irão coexistir durante os próximos anos? 

É certo que os blogues não são hoje o que eram há dez anos. Assim como o próprio vídeo evoluiu muito e se democratizou. Mas, alargando um pouco o debate, não me parece que a imagem vá substituir a palavra escrita na web. Na minha perspetiva, a tendência é de coexistência e adaptação.

Acho que o Instagram é um bom exemplo desta tendência. Trata-se de uma rede social eminentemente visual, mas onde a palavra encontrou o seu espaço. Vemo-la, por exemplo, ser protagonista em algumas contas (@_odadiana/), mas também cada vez mais presente nas longas legendas de muitos feeds

Em suma, mesmo quando se materializa de formas diferentes daquelas que conhecemos e a que estamos habituados, a escrita acaba por estar sempre presente.

_odadiana

@_odadiana

Fernando Pessoa, Camões ou Sophia de Mello Breyner: quem contratarias para uma equipa à procura de um copywriter digital? 

Seria uma honra trabalhar com qualquer um dos três. Contudo, talvez fizesse a escolha menos arriscada: Fernando Pessoa.

Pessoa foi redator publicitário durante dez anos, passou por duas agências e escreveu slogans que estão connosco até hoje, como “Primeiro estranha-se, depois entranha-se” para o lançamento da Coca-Cola no mercado nacional. Será que ele aceitava o desafio de se juntar à equipa?

A tua vida dava um assunto de E-Mail? Se sim, como seria?

Ainda que não seja especialmente original, gosto da frase “Tudo começa com um primeiro passo”, que provavelmente li num livro ou num artigo. Não resume a minha vida toda, mas é algo que tento ter presente nos momentos em que preciso de motivação para agir. 

Isto vale tanto para grandes decisões, como também para quando no dia a dia nos sentamos em frente ao computador para começar a escrever. Tudo começa com um primeiro passo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s